Sábado, 23 de junho de 2018
62 9 9849-3426
Esportes

24/05/2018 ás 14h47 - atualizada em 24/05/2018 ás 14h51

21

Eder Mendes

Osasco / SP

Em entrevista exclusiva, Carille fala sobre a saída do Corinthians e diz que estuda levar jogadores para a Arábia Saudita
"Não foi uma decisão fácil, mas estou em paz", diz novo técnico do Al-Wehda
Em entrevista exclusiva, Carille fala sobre a saída do Corinthians e diz que estuda levar jogadores para a Arábia Saudita
Fábio Carille concede entrevista a Edgar Alencar (Foto: Maurício Oliveira)

Fábio Carille é técnico do Al-Wehda desde a noite de terça-feira, quando o acerto foi anunciado pelo Corinthians. Nas redes sociais, o perfil oficial do clube da Arábia Saudita também tinha confirmado o acordo por duas temporadas. Nesta quarta-feira, em entrevista exclusiva ao GloboEsporte.com, ele se manifestou pela primeira vez publicamente como ex-técnico do Timão:


– As coisas aconteceram muito rápido com esse clube (Al-Wehda). Houve um contato com os meus empresários no final de semana e, na segunda, as conversa continuaram. Ontem (terça-feira) chegou uma proposta oficial. É um projeto muito grande, eles estão acreditando em mim. Pensei muito durante o dia, não foi uma decisão fácil, mas estou em paz. E muito feliz por eles estarem acreditando em mim – disse Carille.


+ CLIQUE AQUI e veja mais notícias do Corinthians


Agora, uma das preocupações da Fiel é se Carille pode levar algum jogador corintiano junto com ele. "Com muita calma", Carille respondeu:


– Sim, mas eu tenho que ter muito cuidado com isso. Pode ser, sim, pessoas que eu tenho confiança... Como eu já trabalhei com muitos profissionais na minha vida de Corinthians, o quanto eu também sei de outros clubes... Primeiro, eu preciso saber o que clube tem contratado para depois atacar as posições. Então é um processo tranquilo, com muita calma.


Segundo Carille, o campeonato da Arábia Saudita passará a aceitar sete jogadores estrangeiros por time, um goleiro e seis de linha. Sobre os profissionais da comissão, o técnico deve levar o auxiliar Leandro da Silva, o Cuca, o preparador físico Walmir Cruz e o observador técnico Mauro da Silva.


– A princípio são três, mas com possibilidade de chegar lá e contratar mais profissionais. Eles estão sabendo, mas eu ainda não tive uma conversa oficial com eles – disse Carille, sem citar nomes.


O Timão receberá cerca de R$ 600 mil pela quebra de contrato. Carille estava vinculado ao clube até o fim de 2019, e a multa era de dois salários do técnico.


O auxiliar Osmar Loss já comanda o Corinthians na quinta-feira, contra o Millonarios, na arena de Itaquera, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores.


Confira outros trechos da entrevista:


Acerto com o Al-Wehda


– Na segunda-feira, encontrei meus empresários, que me falaram sobre a possibilidade. A princípio, fiquei muito em dúvida, mas dá curiosidade de procurar saber, conversa com amigos, e muita gente falando bem de lá, do país... Estou sabendo muito bem o que vou encontrar. Ontem (terça), meus empresários ficaram em contato direto com eles, que aceitaram tudo o que a gente estava pedindo e, no final da noite, acabou concluindo a decisão.


– Mandamos o contrato para lá, e eles anunciaram antes de o contrato voltar. O ideal seria sair uma comunicação minha, do site oficial do Corinthians... Com o clube não teve problema algum, pois eu fui comunicando tudo desde segunda, mas, para o torcedor do Corinthians, seria importante ter ouvido de mim. Mas são coisas que acontecem.


– Sou muito feliz de ter trabalhado no Corinthians, por ter uma história de nove anos e meio dentro do clube, 11 títulos, 8 como auxiliar e três como técnico.


Projeto na Arábia Saudita


– Dentro de três anos, eles querem ter o melhor campeonato do mundo. Estão pensando em revolucionar o futebol no país, e o Al-Wehda faz parte disso. Agora, (cada time) podendo levar sete jogadores estrangeiros, um goleiro mais seis de linha... Isso me cativou bastante, um contrato até o meio de 2020. Eu estou indo para abrir portas, um outro mundo, estou numa fase de aprendizado muito grande, com muita vontade de abraçar essa ideia.


Caminhões de dinheiro


– É muito melhor do que é aqui no Brasil para qualquer um. Tive propostas melhores do que essa, financeiramente falando, mas o projeto não me deixou tranquilo para aceitar. Essa me deixou tranquilo, por tudo o que eles estão fazendo, a cidade (Meca), o centro de treinamento (em Geda)... Não é só o lado financeiro. Pode ter certeza de que eu tinha recebido três propostas melhores que essa, duas da China e uma dos Emirados Árabes.


E o Corinthians?


– Não chegou (a fazer contraproposta) e eu também não quis. Acho que não é legal usar um outro contrato para poder melhorar. Pela minha história no Corinthians, cheguei definido, dizendo que tinha resolvido a minha vida.


– Pensei muito em tudo. O que me deixa tranquilo é (o Corinthians) estar classificado na Copa do Brasil para depois da Copa (do Mundo), estar classificado na Libertadores também para depois da Copa e de estar entre os primeiros no Campeonato Brasileiro. Se não tivesse esse parada, talvez o meu pensamento fosse difierente, talvez eu nem tivesse aberto as conversas. Talvez... Mas fico muito tranquilo com a decisão. O Osmar (Loss) tem 35 dias para trabalhar, para projetar a volta depois da Copa.


Legado


– Deixo um legado em relação a jovens. Já mudou um pouquinho no Brasil depois de tudo o que aconteceu comigo, com o Jair (Ventura, no Botafogo e no Santos), com o Zé Ricardo (no Flamengo e no Vasco), a gente vê o Inter apostar no Odair (Hellmann) e outros clubes. Dentro do Corinthians, não é difícil trabalhar, na questão de montagem, tática, porque já tem uma linha.


– O Osmar, eu tenho certeza, vai ter muito sucesso porque é um cara muito inteligente, não está caindo de paraquedas. Já está no clube há quatro, cinco anos, há um ano e meio no profisisonal, então entende muito o processo.


Carille chegou ao Corinthians em 2009 como auxiliar permanente. Desde o fim de 2016 como técnico principal, conquistou dois títulos paulista e um brasileiro. Em 114 jogos, foram 59 vitórias, 32 empates e 23 derrotas


Vida em outro país


– Eu sei que vou viver a cada dia lá como vivo como profissional, sou pago para fazer bem as coisas e viver. Tem a questão da adaptação, sei que não tenho dificuldade, mas hoje é chegar lá e viver dia a dia, jogo a jogo, mês a mês. É vestir a camisa do clube e fazer o meu melhor.


– Hoje, com a facilidade da internet, você começa a buscar como é a cidade, onde você pode morar, o centro de treinamento... Meus familiares são muito tranquilos, "você faz o que é melhor"... Não me ajudam em nada nessa questão de decisão (risos). Eu sou o pilar da minha família, então o que eu decido eles acreditam que é para o meu bem e para o bem de todos.


– A Arábia Saudita é muito diferente do que é o nosso país, mas já melhorou muito. Mulheres podendo ir ao estádio desde dezembro, em julho podendo dirigir. Os novos comandantes estão abrindo o país aos poucos. Falei com profissionais que me disseram que está muito mais tranquilo para se viver.


Polêmica com a imprensa


– É algo que eu tenho que aprender muito ainda, vou errar e vou pagar muito pelos meus erros, por ser sincero, mas eu sou assim, a cada dia eu aprendo mais.


NOTA DA REDAÇÃO: No último domingo, em Recife, Carille tinha afirmado que "grande parte da imprensa mente demais". O técnico comentava o interesse de outro clube da Arábia Saudita, o Al-Hilal, que tinha se tornado público na semana passada. Até os pais do técnico tinham falado sobre a iminente saída do Corinthians. Na terça-feira, em nota oficial, Carille pediu desculpas à imprensa por ter generalizado em seu comentário.


– Não fiquei bravo com ele (seu pai, Joaquim). O que eu fiquei bravo é que não sei o que foram fazer lá, essa é a verdade. Meu pai é homem de 70 anos e, quando saiu a enquete no mundo árabe (de que Carille era um dos alvos do Al-Hilal), eu fui procurar avisar a minha família em primeiro lugar... "Olha, saiu isso e, quando há possibilidade, eles vêm forte para contratar". Meu pai, na ingenuidade, falou. Houve sondagens, houve conversas, mas não houve negociações com o Al-Hilal.


Volta para o Corinthians


– Eu estou saindo com as portas abertas pelo relacionamento que eu tenho dentro do clube, com a diretoria com quem eu sempre fui transparente. Não estou saindo brigado, longe disso. Eu tenho um respeito enorme por todos eles, eles também por mim.


– Eu tenho certeza de que as portas estão abertas. Quem sabe, por isso, um dia possa acontecer (de voltar).

FONTE: GE

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
Mais lidas
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados