Sábado, 23 de junho de 2018
62 9 9849-3426
Política

18/05/2018 ás 05h57 - atualizada em 22/05/2018 ás 20h27

65

Iury Martins

Niquelândia / GO

Definidos os candidatos a prefeito na eleição suplementar de 3 de junho
Denguinho Chimango (PSDC), Celino Correa (SD), Fernando Carneiro (PSD), Xisto Damas (PHS) disputam mandato-tampão até dezembro de 2020: prefeito vencedor da eleição de 2016, Valdeto Ferreira teve mandato cassado pelo TSE
Definidos os candidatos a prefeito na eleição suplementar de 3 de junho
Denguinho, Celino, Fernando e Xisto, candidatos a prefeito de Niquelândia: missão administrativa dolorosa numa cidade que vive uma crise sem precendentes em toda a sua história (Fotos: Euclides Oliveira - Montagem: Portal Excelência Notícias)

Convenções realizadas pelos partidos políticos de Niquelândia definiram, na noite da quinta-feira (10), quatro chapas que vão concorrer aos cargos de prefeito e vice-prefeito da cidade do Norte do Estado na eleição suplementar marcada para o dia 3 de junho pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).


O Portal Excelência Notícias esteve nos encontros de todas as agremiações partidárias neste momento inédito na história da política do município, onde nunca houve nova eleição durante a vigência de um mandato em andamento.


Desde a última segunda-feira (7), quando a data do pleito foi oficializada pelo TRE, especulações de todo o tipo correram nos bastidores da política local; e também em grupos no WhatsApp sobre os nomes que disputariam o mandato-tampão até dezembro de 2020, época em que terminaria o mandato do agora ex-prefeito Valdeto Ferreira (PSB).


Como se sabe, ele teve o registro de candidatura às eleições de 2016 cassado no começo de fevereiro pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por supostos desvios de recursos da Educação entre 1993 e 1996, quando foi prefeito pela primeira vez. Confira as chapas:


DENGUINHO – BODA – A primeira chapa foi oficialmente confirmada às 19h30 quando o ex-vereador por dois mandatos Weder Chimango Dias de Oliveira, o Denguinho (PSDC) reuniu seus apoiadores para o anúncio de sua candidatura a prefeito num salão de eventos da região central de Niquelândia. Denguinho já foi presidente da Câmara Municipal de Niquelândia no biênio 2011-2012 e o vereador mais votado da cidade em 2012, sendo reeleito naquele pleito com 1.018 votos.


Com Denguinho, compondo como vice-prefeito, foi escolhido o nome do jovem agropecuarista e empresário da área de gêneros alimentícios João Júnior Leal (PMN) conhecido popularmente como Boda – que nunca disputou um cargo eletivo. Além do PSDC e do PMN, a chapa Denguinho-Boda também foi avalizada pelo PRP e pelo PSC. Na manhã desta sexta (11) Josias Generoso (PR) retirou sua candidatura a prefeito para outorgar apoio a Denguinho, trazendo consigo o Podemos, comandado pelo ex-chefe de gabinete da prefeitura Jasson Pinto.


Denguinho Chimango (PSDC) confirmou candidatura a prefeito de Niquelândia com João Júnior Leal (PMN), o Boda, como candidato a vice-prefeito (Foto: Euclides Oliveira)


 CELINO – JESUS – Pouco tempo depois, às 20h15, houve a confirmação da segunda chapa: o ex-vice-prefeito Celino Correa (SD) – afastado do cargo junto com Valdeto no dia 23 de abril – confirmou sua candidatura a prefeito de Niquelândia na eleição extemporânea tendo, como candidato a vice-prefeito, o vereador Jesus Ferreira França (PRB).


O parlamentar cumpre seu segundo mandato no Poder Legislativo. A chapa Celino-Jesus foi sacramentada com um forte abraço entre os dois postulantes à vaga ainda do lado de fora da sede de um sindicato que foi palco da convenção, depois que o vereador Nei Rosa (SD) abriu mão da vaga de vice.



Celino Correa (SD) será candidato a prefeito com o vereador Jesus Ferreira França (PRB) como candidato a vice (Foto: Euclides Oliveira)


 FERNANDO – SAULLO – Às 20h50 – no escritório do advogado e presidente do PTB local, Fernando Cavalcante de Melo – foi confirmado o nome do médico Fernando Carneiro (PSD) como candidato a prefeito, tendo o vereador em segundo mandato Saullo Adorno (PTB) – o mais votado da eleição de 2016, com 1.060 votos – na chapa como candidato a vice-prefeito.


O nome de Fernando Carneiro, que atuou por muitos anos no Hospital Municipal Santa Efigênia, sempre foi lembrado por eleitores da cidade que o almejavam vê-lo na disputa por um cargo público. Ele nunca colocou seu nome à apreciação dos niquelandenses e angariou, à última hora, aval do presidente estadual do PSD, Vilmar Rocha.  Além do PTB e do PSD, a chapa foi engrossada pelo MDB e pelo PT.


O médico Fernando Carneiro (PSD), um novato na política,  foi confirmado candidato a prefeito tendo o vereador Saullo Adorno (PTB) como vice-prefeito (Foto: Euclides Oliveira)


XISTO-AGNALDO – Derrotado nas eleições municipais de 2016 para prefeito, quando estava no PEN (atual Patriota) e recebeu apenas 354 votos, o empresário do ramo imobiliário e engenheiro civil Xisto Damas (PHS) foi a última candidatura confirmada em Niquelândia às 21h30.


Ex-vereador e ex-secretário municipal, Xisto é um longevo militante da política local. Nessa nova disputa, formou chapa com o vereador em segundo mandato Agnaldo Batista Rocha, o popular Agnaldo da Van (PP), indicado como candidato ao cargo de vice-prefeito. Além do PHS e do PP, a chapa conta com apoio do PRTB; PPL; Avante (antigo PT do B), Patriota; e PSL.


Xisto Damas (PHS) será candidato a prefeito compondo chapa com o vereador Agnaldo da Van (PP) como candidato a vice-prefeito (Foto: Euclides Oliveira)


CIDADE VIVE CRISE SEM PRECEDENTES – A população de Niquelândia, como se sabe, vive desarranjos administrativos de toda ordem – provocados sobremaneira por gestões ineficientes e fraudulentas em tempos não muito distantes do atual – problemas esses que foram agravados pela paralisação das atividades da mineradora Votorantim Metais em 2016 que provocou queda na arrecadação do município e fechamento de 2.000 postos de trabalho (entre empregos diretos e indiretos).


Os salários do funcionalismo público municipal (cerca de 1.700 efetivos, no total) estão com dois a três meses de atraso; e os professores da rede pública municipal estão em greve há pouco mais de um mês, exigindo a quitação desses débitos. Ou seja, são grandes os desafios do prefeito a ser eleito no dia 3 de junho para um mandato-tampão de aproximadamente 2 anos e meio.


O prefeito interino Léo Ferreira (PSB), que nutria pretensão de candidatar-se ao cargo caso a eleição suplementar ocorresse mais à frente, decidiu ficar neutro na disputa e não vai declarar apoio à nenhuma chapa. Após a posse do novo prefeito, Léo voltará à presidência da Câmara Municipal de Niquelândia.

FONTE: Excelência Noticias

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
Mais lidas
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados